quarta-feira, 21 de outubro de 2009

UM DIABO NECESSÁRIO

Todos já assistiram a um desenho do Pica-Pau. E, indubitavelmente, a cena mais polêmica, dentre tantos episódios encontra-se no filmete chamado "O Rachador".

Tal episódi0, um dos primeiros lançados no ano de 1941, passa-se numa época de racionamento de combustível. Ao deparar-se com a placa de aviso com os dizeres "Racionamento de combustível. Esta viagem é mesmo necessária?", Pica-Pau responde: "Claro que é. Eu sou um diabo necessário". Esta frase é dita com o personagem voltado para o telespectador e com o rosto transfigurado (foto ao lado).

Aparentemente, não há razão alguma para que esta cena tenha existido. Não contêm piada alguma, tampouco é importante para o enredo da narrativa. Náo é um diálogo, nem possui teor explicativo. Parece uma cena inserida à parte da história. Ora, se ela não atende aos interesses da narrativa em questão, a que interesses ela atende, então?

Não expressarei opinião alguma - embora pareça óbvia - para não correr o risco de influenciar alguém ou ser taxado de algo que não sou. Porém, eis aberto o espaço para todos expressarem sua opinião, desde que com algum embasamento e sem preconceito algum.

8 comentários:

Marlon/Leane disse...

3 anos e meio ele tem de poder

O Clérigo disse...

Não entendi seu comentário, mas mesmo assim, grato pela participação.

Ricardo disse...

Não acredito que seja algum tipo de "mensagem subliminar" ou que a cena tenha sido inserida com quaisquer "segundas intenções".

Também sempre quis saber o porquê dessa frase do Pica-Pau. Nunca encontrei uma explicação oficial, mas tenho uma teoria pessoal: acho que a tradução para o português ficou um pouco "pesada" e o episódio se tornou mais polêmico em nosso idioma.

No texto original do episódio, em inglês, o personagem diz "I'm a necessary evil" (http://en.wikipedia.org/wiki/Ration_Bored), termo que normalmente se traduz como "mal necessário".

Então talvez o mais adequado fosse:
- Essa viagem é realmente necessária?
- Claro que é necessária, eu sou um mal necessário!

Convenhamos, o conceito de "diabo/demônio/capeta/satanás/whatever" é o que melhor representa o "mal" em nossa cultura, e o autor quis enfatizar a frase transformando a cara do personagem, o que acontece também em diversas cenas de outros episódios do Pica-Pau.

Na versão em português, o tradutor pode ter visto a "cara de diabo", e como "evil" parece com "devil", resolveu traduzir como "diabo necessário", o que soa bastante estranho e parece não fazer sentido em nosso idioma.

Bem, essa é apenas a minha opinião, mas a considero bastante plausível.

O Clérigo disse...

Ricardo,

Com certeza não trata-se de mensagem subliminar, visto que a cena é escancarada e nada sutil. Também não acredito que haja segundas intenções em sua inserção. A grande questão é qual a INTENÇÃO primária desta cena que, a meu juízo, não contribui em nada para o desenvolvimento deste episódio e não contem nenhuma piada ou sátira.
Bem, pelo menos era o que eu questionava até você trazer esta explicação. Se o que o Pica-Pau disse foi "evil" e não "devil", tudo fica com maior clareza. Temos que concordar que o Pica-Pau apronta muito em seus desenhos, especialmente neste. Portanto, seria lógico ele dizer que não podia ser abster da viagem porque ele era um "mal necessario", pois há em sua essência a característica de "tirar as pessoas do sério", o que aliás ele muito faz neste episódio!
Agradeço pela sua opinião. Contra fatos, nao há argumentos. Obrigado por enriquecer este blog trazendo informações úteis e opiniões embasadas.

Rogerio disse...

Bem, pessoal. Acho que vocês não entenderam o desenho e estão vendo coisas a mais do que deveriam ser vistas.

Esse desenho RATION BORED é de 1943, época onde não só os EUA, como o mundo estava em guerra. Lembre-se que na placa estava escrito pra pessoa economizar gasolina, pneus e comida perguntando se a viagem era necessária.

Com essa frase, ele responde justamente que não se importa com que o acontece com o país, pois o importante é a diversão dele.

Naquela época, todos os donos de carros tinham uma caderneta em que o governo atráves da RATION BOARD determinava sua cota de consumo através de letras... Algo semelhante a classificação de geladeiras, fogões, ar-condicionados, etc.

E a piada da cartilha ("E o livro de racionamento? Então você não sabe? O livro que tem o ABC")vem justamente quando o frentista pergunta sobre a caderneta.

Enfim... Esse desenho era uma gozação da propaganda governamental de guerra. Inclusive, no fim de todo desenho e filme da época, o governo pedia para o povo comprar os "títulos de guerra" no intuito de financiar a guerra.

Viu? É muito menos diabólico do que se parece :-)

O Clérigo disse...

Caro Rogério;

Obrigado por enriquecer este blog com sua opinião e suas salutares informações.
Todavia, o "menos diabólico do que parece", denota que vc concorda que há algo "parecido com diabólico" neste contexto, certo?
Além do mais, trouxemos este trecho do desenho a baila, apenas para comentar. Nunca dissemos que era ou não "diabólico".

Anônimo disse...

nao é "O Rachador"!!

é "O Afanador de Gasolina"!

Anônimo disse...

critica: amigo li quaze todos os comentario; por favor resume os comentario.